As Crônicas da Copa: a CBF, a máquina e a passagem de volta (e outras cositas mais)

Antes de mais nada, vamos ver o que diz na primeira frase deste artigo na Wikipedia que

fala sobre a Seleção Brasileira de Futebol: "é o time nacional do Brasil de futebol masculino [...]". Agora vejamos o que significa a palavra "time" segundo o dicionário online: "grupo de atletas que participam de certos esportes de conjunto", ou ainda "grupo de pessoas empenhadas numa mesma atividade conjunta".


Não me admiro mais em saber que o Brasil foi "covardemente" eliminado de uma Copa do Mundo, desta vez na Rússia, pela Bélgica. O assunto "Brasil eliminado" ganhou o mundo nesta sexta, dia 6 de julho logo após o final trágico de 2x1 para os grandalhões.

Eu não gosto muito de futebol, mas acompanhei quase todos os jogos da primeira fase da competição que acaba no próximo dia 15 e francamente: o Brasil, mais uma vez, não merecia vencer uma copa. 
Não gosto do Neymar. Não gosto mesmo. Gosto da bola que ele joga, ele realmente é um ótimo jogador, mas como pessoa é nota zero negativo (sim!). Mude a minha mente se quiser, mas o menino Ney não é melhor que nenhum outro jogador.

Concorda quem quiser, o grande destaque da nossa seleção neste ano foi o Philippe Coutinho. Ele sim, na minha opinião, foi o "menino Tinho" deste ano. Ele deu um show de bola em campo. Seu gol na copa, o primeiro gol da seleção, foi escolhido pela FIFA como o mais lindo da primeira fase, que aliás, o Brasil teve muita sorte de sair de lá.

Não estou criticando um jogador como muitos jornais pelo mundo estão fazendo. Já li uma matéria onde o único jogador mencionado é o Gabriel Jesus, e que ele foi o nosso vilão este ano. Não estou defendendo o Coutinho, muito menos batendo palmas pelo show de atuação do Neymar em campo (um jornal francês contou todo o tempo que ele ficou no chão durante a copa: quase 14 minutos, segundo esta matéria do Ig), nem culpando o coitado do Gabriel Jesus (a pior atuação de um camisa 9 da seleção em todas as copas até agora). Estarei aqui apontando alguns erros que levaram à eliminação.


Esta pobre mãe não aguenta mais carregar o bebê
dela, que aguarda desde a copa de 2014 para nascer.
Fica pra 2022.

No início deste post eu escrevi o significado da palavra "time" (se está lendo até aqui, agradeço de coração kkk), mas o que vimos na copa não foi um time e sim um show de individualismo.
Os jogadores tentavam entrar com bola e tudo no gol. O Coutinho deu aquele chute ousado na partida de estreia da seleção e marcou o primeiro gol do canarinho (não o belga) mas ficou por isso mesmo. A seleção, diga-se de passagem, teve a pior atuação nos últimos quatro mundiais. Chances de gol desperdiçados e muito individualismo. Pode discordar de mim, mas o grande culpado da queda da seleção neste ano foi o individualismo. Faltaram passes, e alguns seriam cruciais para a vitória e a tão sonhada conquista do hexa.

Agora sejamos francos: o Neymar tinha condições de jogar neste ano? É, meu caro leitor: também tenho certeza que não.
Desde a fratura do tornozelo até a estreia da copa passaram-se quatro meses. Desde quando alguém recupera uma fratura em tão pouco tempo? Pode até ser possível, mas não era necessário tratar o Neymar como uma máquina. 
Ele passava certa insegurança nos jogos, pode conferir. Tinha medo de chegar perto dos adversários e machucar seu tornozelo novamente. 
Absurdo mesmo foi o tratamento que o camisa 10 recebeu nos últimos meses: ele parecia uma máquina de jogar bola. Foi submetido à uma rápida e arriscada recuperação, o que poderia provocar uma lesão mais grave e que com certeza colocaria o Neymar fora da copa por um boooooooom tempo. Às autoridades desportivas brasileiras e aos patrocinadores da seleção (lê-se Rede Globo): nenhum jogador é uma máquina, inclusive o Neymar. Ele podia até estar preparado fisicamente, mas psicologicamente não.


O menino máquina Neymar: pressão e muita
balela em torno de um jogador bem fisicamente,
mas despreparado psicologicamente.

Desde que a seleção desembarca no país sede da copa, põe-se em prática aquela velha frase: "a Taça do Mundo é nossa, com brasileiro não há quem possa!". Será que realmente é assim nos dias de hoje?
O Brasil está em uma grande crise, mas quando a copa começa, a crise simplesmente acaba. Ontem o país inteiro parou para ver aquele fiasco (Fernandinho, desculpe, mas que vexame o teu gol contra mano!). Imagine o cenário: churrasco, cerveja, piscina (onde estava calor, óbvio) e uma televisão de 80 polegadas ou um projetor de cinema (nessas horas o dinheiro brota do chão) para assistir aquela... coisa de ontem. Crise? Rárárá! Que piada de mau gosto cara!
Hoje? Tchau tchau seleção! Agora vou lá pagar minha prestação da TV, conta da luz que gastei ligando ela, guardar o carvão pra não pegar a chuva das lágrimas, trocar o litrão daquela Skol que sobrou (pois até mesmo sendo redonda ia demorar pra descer) por fraldas pro meu bebê e esvaziar a piscina pra usar no verão com água nova, pois aquela salgou de tanta lágrima derramada. E o país? "Ah, mas estamos em crise há bastante tempo! Deixa a gente se divertir!". 

Diversão é uma coisa. Hipocrisia é diferente.

Crise?

"Aquele que não dá câncer"

Sério. 
A frase que dá título ao primeiro artigo do Fabio's Ideas era quase que frequente durante os dois anos que trabalhei como operador de caixa em um supermercado.

Em fevereiro de 2002 o Brasil tornou obrigatória a implantação de avisos sobre os problemas causados pelo vício nos maços de cigarros comercializados ao público e, como todos já devem saber (até mesmo os não fumantes), esses avisos incluem imagens fortes e chocantes.

Eu trabalhei por 5 anos em um supermercado aqui da região. Dois destes foi na operação do caixa. Durante estes dois anos não houve um dia sequer sem vender pelo menos um maço de cigarro.

Graças a Deus nunca coloquei um cigarro na boca (e eu respondia assim quando algum cliente me perguntava se eu fumava), e continuo invicto e pretendo continuar assim até o fim, em nome de Jesus, mas imagino como deve ser difícil largar um vício desta magnitude. Várias pessoas que eu conheço já tentaram parar de fumar diversas vezes, algumas sem sucesso. Venho através deste artigo desabafar com vocês algumas experiências que tive com alguns fumantes.

À esquerda, um pulmão saudável. À direita um pulmão de
um fumante
Certo dia um senhor chegou até mim e pediu um cigarro longo, não lembro a marca. Olhei para os estoques e verifiquei que estava em falta. Eu falei para ele e ele olhou bem fundo nos meus olhos e me disse, em tom de brincadeira: "Mas que barbaridade, nunca tem quando eu venho. Meu vizinho já disse que compra aqui, mas nunca acho.". Eu apenas disse, sorrindo: "É, mas graças a Deus que não tem né?", ao passo que ele me respondeu "É guri, já tentei parar um monte de vezes, mas é difícil", e completou: "Tu fuma?". Respondi gentilmente que não, graças a Deus. Ele me respondeu "Que bom, meu guri. Continua assim".
Em outra ocasião eu encontrei ele na rua e perguntei-lhe "E aí? Conseguiu parar?". Ele me olhou e disse "Consegui só por duas semanas. Comecei a ficar com raiva, muito ansioso e tive que voltar." Pena, pois algum tempo depois soube que ele teve um infarto e quase veio a falecer. Somente aí que ele foi parar de fumar.

Fumar causa câncer de pulmão.
Aviso do modelo anterior,
informando que fumar
causa câncer de
pulmão.
Vocês estão todos ligados de que o cigarro causa muitas doenças, e uma delas é o câncer de pulmão.
O câncer sob qualquer forma e onde quer que ele seja alojado causa dor e sofrimento, tanto para a vítima quanto à família do doente. E a saúde mental do paciente deve estar em dia, senão o sofrimento é maior. 
Pode parecer piada, mas é verdade o que escrevi no início deste artigo.
Um senhor veio e pediu um maço. Eu peguei e entreguei para ele. Ele entregou-me o dinheiro e olhou o verso da carteira de cigarro. Ali continha exatamente a imagem ao lado, o aviso "O Ministério da Saúde adverte: fumar causa câncer de pulmão". 
Ele olhou para mim e perguntou se não tinha outro, "aquele que não dá câncer".
Sem saber exatamente como proceder, além de, é claro, ter de trocar o maço para ele, respondi sorrindo (até achando engraçado): "mas todos causam câncer".
Ele então respondeu sério: "mas esse aqui causa mais rápido, eu vi no jornal".

Talvez muitas pessoas não saibam, mas o cigarro também prejudica quem tem diabetes (devido aos açúcares que contém em sua composição). Uma senhora diabética que comprava duas carteiras de cigarro por dia parou de fumar por duas semanas. Ela estava muito feliz com isso, respirando melhor e não estava exalando o cheiro de cigarro, além de estar tossindo bem menos. 
Certo dia ela chegou para comprar os costumeiros dois maços e eu perguntei "Ué, a senhora não tinha parado de fumar?" Sabem o que ela me respondeu?
"Eu parei de fumar e comecei a engordar. Tenho diabetes, não posso engordar."

Ontem foi a experiência mais recente. Eu estava no mercado, no caixa. Um senhor pediu à moça um cigarro longo. Ela disse que estavam em falta e que tinham a versão comum (curta) daquela marca.
Ele perguntou à ela "Esse também causa câncer?". Ela acenou com a cabeça e ele respondeu "Então pode ser esse mesmo."

Estimativa de quanto o brasileiro gastava em cigarros no ano de 2011 (um maço por
dia), quando a carteira de cigarro custava em média R$ 2,60. Hoje é muito mais.

É triste. É triste as pessoas tratarem o câncer de pulmão como uma piada recorrente ao vício. É triste saber que as pessoas aceitam os malefícios que o cigarro provoca e mesmo assim saber que elas fumam. É triste saber que muitas das pessoas que conhecemos, passamos algum tempo juntos, agora estão inalando fumaça direto para os pulmões. É triste a ilusão de que as pessoas pensam que os filtros diminuem seus efeitos.


Alguns dos 5 mil elementos que compõem o cigarro



O TEXTO ABAIXO VEIO DO SITE MUNDO ESTRANHO. CLIQUE AQUI  PARA LER O ARTIGO COMPLETO.

Conheça os ingredientes mais sinistros do fumo

MAIS LETAL

SUBSTÂNCIA – Nicotina

O QUE CAUSA – É considerada a substância mais mortífera do cigarro, já que é a responsável pela dependência química. Quanto mais o fumante consome cigarros, mais exposto fica a outros milhares de substâncias tóxicas.

MAIS ABUNDANTE

SUBSTÂNCIA – Monóxido de carbono

O QUE CAUSA – O mesmo gás inflamável expelido pelos escapamentos de veículos se liga às hemácias do sangue de forma permanente, impedindo o transporte eficaz de oxigênio no corpo.

MAIS RADIOATIVO

SUBSTÂNCIA – Plutônio

O QUE CAUSA – Esse metal, emissor de radiação alfa, utilizado em armas nucleares, é altamente cancerígeno, muito associado ao câncer de pulmão. Tem efeito cumulativo e a ingestão de pequenas quantidades prejudica o funcionamento dos rins.

CANCERÍGENOS

SUBSTÂNCIAS – Nitrosaminas, policíclicos e metais pesados (arsênio, cádmio etc.)

O QUE CAUSAM – São associados a cânceres de pulmão, além dos de esôfago e língua (nitrosaminas), de mama (policíclicos aromáticos) e de próstata (metais pesados).

VENENO PARA ANIMAIS

SUBSTÂNCIA – Cianeto de hidrogênio

O QUE CAUSA – Esse gás incolor, usado no combate a pragas, cupins e baratas, combina-se com o ferro da hemoglobina, bloqueando a recepção do oxigênio pelo sangue. Em alta concentração, pode matar por sufocamento químico.

Curiosidades:
– A indústria tabagista cogitou adicionar amônia (produto usado na limpeza de azulejos e corrosivo para o nariz) para potencializar o efeito da nicotina;

– O cianeto foi usado como arma química na 1ª Guerra Mundial, nas câmaras de gás da 2ª Guerra e na execução de condenados à morte nos EUA;

– O fumo está associado a 95% dos casos de câncer de pulmão e 30% de todos os outros cânceres;

– Outras substâncias radioativas, como urânio e chumbo, também estão presentes.


Então? Qual o motivo de você não parar de fumar? Qual o motivo de você unir-se às milhões de pessoas que entram nesse vício anualmente? Deixe seu comentário abaixo.